Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Caff celebra o Mês da Visibilidade Trans com iluminação especial

Publicação:

Janeiro Lilás red
O mês também contará com atividades das secretarias e instituições, que abordarão as temáticas de gênero - Foto: Solange Brum | Ascom Sedac
Por ASCOM | SEDAC e Ascom | SICDHAS

Centro Administrativo Fernando Ferrari (Caff), em Porto alegre, local onde funcionam diversas secretarias e outros órgãos da administração pública estadual, receberá iluminação especial. A partir de 1º de janeiro, a fachada do prédio ficará novamente colorida, como em 2021, em celebração ao Janeiro Lilás, Mês da Visibilidade Trans. A cor lilás é uma união das cores azul e rosa, presentes na bandeira do orgulho transgênero.

A ação é da Secretaria da Cultura (Sedac), por meio da sua assessoria de Diversidade, em parceria com a Secretaria da Igualdade, Cidadania, Direitos Humanos e Assistência Social (SICDHAS), por meio da Coordenadoria de Diversidade Sexual, parte do Departamento de Direitos Humanos e Cidadania da SICDHAS.

O Janeiro Lilás é uma iniciativa que busca a sensibilização da sociedade por mais conhecimento e reconhecimento das identidades de gênero, com o intuito de combater os estigmas e a violência sofrida pela população transexual e travesti. A ação ocorre em alusão ao Dia Nacional da Visibilidade Trans, em 29 de janeiro.

O mês será marcado por uma série de atividades com o objetivo de sensibilizar a sociedade por mais conhecimento e reconhecimento das identidades de gênero, além de combater os estigmas e a violência sofrida pela população transexual e travesti.

A secretária adjunta da Cultura, Gabriella Meindrad, que é uma mulher trans, reforça a importância da data. "A campanha Janeiro Lilás - Mês da Visibilidade Trans é um caminho para promover uma cultura de paz e respeito na sociedade. Desde 2020 a Sedac, com a colaboração de outras Secretarias de Estado e o engajamento das nossas instituições, tem conseguido criar e promover o Janeiro Lilás, que em 2022 chega a sua 3ª edição, ampliando as parcerias institucionais e consolidando a importância do período, para que não se perca a razão da sua existência".

“O que se pretende é possibilitar espaços de diálogo, reflexão e sensibilização permanente sobre o ser humano e os rótulos carregados de estigmas e preconceitos em nossa sociedade, atribuindo cidadania à população prejudicada”, destaca a secretária adjunta.

Ainda segundo Gabriella, o Brasil é o país que mais mata transexuais no mundo. A expectativa de vida de uma pessoa transexual fica em torno de 35 anos, enquanto a expectativa de vida da população brasileira, em média, é de 74 anos. "O estigma em não reconhecer a identidade trans, a baixa escolaridade, o desemprego, o preconceito, a discriminação e a violência com altos índices de assassinatos, justificam a importância do debate e da sensibilização”, afirma.

Para a assessora de Diversidade da Sedac, Clarissa Lima, marcar as cores da bandeira trans na fachada do Caff é uma representação da luta de toda uma população, que ao longo da história sempre foi privada de direitos, sofrendo todo o tipo de violência. Que a transformação visual do prédio se reflita na mente e no coração de cada um, para que 2022 seja um ano de mais igualdade, amor e respeito”, pontua.

“A iluminação lilás do Caff tem como objetivo chamar a atenção ao mês da visibilidade de pessoas transexuais e travestis. O Estado tem avançado na implementação de políticas públicas, como o decreto nº 56.229, assinado pelo governador Eduardo Leite no dia 7 de dezembro de 2021, que cria cotas para pessoa trans em concursos públicos estaduais. As reservas de vagas são um ato de reparação história e social para as ações afirmativas ao exercício dos direitos e das liberdades fundamentais das pessoas sujeitas à intolerância. Sabemos que transexuais e travestis fazem parte de uma comunidade em extrema vulnerabilidade social e as suas lutas são constantes na promoção dos seus direitos em busca da justiça social”, destaca a secretária da Igualdade, Cidadania, Direitos Humanos e Assistência Social, Regina Becker.

Secretaria da Cultura