Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Residentes - Hub Criativa Birô

O CICLO DE RESIDÊNCIA CRIATIVA

O Ciclo de Residência Criativa é uma ação estratégica do programa RS Criativo. O Ciclo abriga 17 empreendimentos criativos em um espaço de coworking, localizado no Hub Criativa Birô - 3º andar da Casa de Cultura Mario Quintana. Os empreendimentos residentes podem usufruir gratuitamente da infraestrutura completa do Hub, que inclui área de coworking, sala de reuniões e salas de treinamento. Os residentes também recebem processos formativos, mentorias e consultorias, para desenvolverem seus negócios. 

A SELEÇÃO DOS EMPREENDIMENTOS

O Ciclo de Residência Criativa contou com um edital de chamamento público, aberto de 30/05/2019 a 30/06/2019, para seleção dos empreendimentos. A seleção se deu por meio da análise dos projetos inscritos e defesa oral dos empreendedores. Foram selecionados 17 empreendimentos para integrar o Ciclo de Residência. Eles trazem uma grande diversidade para o Hub Criativa Birô, representando diferentes setores da Economia Criativa: Audiovisual; Moda; Eventos e Turismo Cultural; Arquitetura; Artes Visuais; Literatura e Mercado Editorial; Cultura Popular; Publicidade; entre outros. O Hub proporciona um espaço de networking e conexão para esses diferentes empreendimentos, possibilitando a criação de parcerias e de uma cultura colaborativa de trabalho.

CONHEÇA OS NOSSOS 17 EMPREENDIMENTOS RESIDENTES, NAS PÁGINAS A SEGUIR

AFARA significa ponte em Iorubá. A proposta da marca é criar pontes culturais entre etnias para desconstruir preconceitos. A marca nasceu a partir do trabalho de conclusão de curso em Design de Moda do idealizador Leonardo Farias, que aborda a importância da moda na construção de identidade étnica como forma de inovação cultural. A marca de moda masculina tem foco no homem negro, trazendo reflexões sobre o que é ser negro no Brasil, sobre masculinidade tóxica, entre outros assuntos sociais.

Câmera Causa é um projeto de realização audiovisual, voltado a projetos sociais e escolas públicas, com foco em grupos em situação de vulnerabilidade social. Através de oficinas, o projeto busca aproximar pessoas e grupos do mundo audiovisual, com o intuito de levar a reflexão e a prática da área. É voltado à criação de conteúdos dos envolvidos e beneficiários, das suas realidades e causas, para que possam ser utilizados na divulgação dos seus projetos e trabalhos.

Desde 2018, a arquiteta Daniela Giovana Corso dedica-se à ilustração. Do universo dos desenhos da Infância, da observação de anjos e suas histórias, desenvolve uma linha de ilustrações autorais. É neste andar que vai dando luz e forma à sua coleção de Mulheres-Anjo, reproduzidas em tiragem limitada ou em objetos-arte únicos.

O Poa na Rua é o guia de eventos de rua, cultura e diversão de Porto Alegre. Desde 2018, mapeia e lista no seu aplicativo todos os eventos de rua, feiras, exposições, experiências e tudo mais de bacana que está acontecendo na Capital. Porto Alegre vive um momento incrível de ocupação dos espaços públicos e interação com a comunidade, e o Poa na Rua colabora para que as pessoas se programem para sair para a rua e aproveitem a cidade.

Torus Circuitos Criativos é um núcleo orientado para a arte contemporânea, composto por pessoas com diferentes formações e expertises. Objetiva criar processos sinérgicos entre profissionais criativos, agentes culturais, a iniciativa privada, o estado e as universidades, com a finalidade de produção de conteúdo, circulação, difusão, imersão e intercâmbio cultural. Suas atividades incluem residências artísticas, exposições internacionais e nacionais, circulação de acervos, projetos voltados para o turismo cultural. A equipe do Torus acredita na importância de valorizar o capital intelectual e o patrimônio artístico gaúchos, desenvolver a economia criativa estadual, incentivar projetos de política cultural autossustentável, iniciativas culturais descentralizadas e o acesso à cultura.

Proposta de instalação de unidades culturais que se tornem autônomas em cidades do interior do RS. O Projeto Kombina levará sua metodologia de trabalho criativo, realizando eventos, workshops, treinamentos e assessoramento presencial e remoto. Pretende criar um espaço onde a cultura feita em cada comunidade, de maneira espontânea, possa ganhar terreno e brotar com força. O objetivo é despertar agentes locais que atuem como catalisadores de atividades artísticas, estimulando que novas atrações e conexões surjam pelo núcleo formado e fomentem o consumo de cultura pelos moradores da região. escrição

Convergência Audiovisual é uma estrutura de rede de negócios do Audiovisual, com representatividade nas 8 regiões do estado do RS, apoiada em grupos de trabalho e ações de troca de experiências e network. Levantamentos apontam que o Audiovisual é uma das atividades econômicas mais estruturadas da Indústria Criativa. O RS participa desse contexto, especialmente pela força das suas empresas e competência dos seus profissionais.

A SIGMA CINEMA é um coletivo audiovisual que atua de modo físico e online, com o objetivo de promover atividades de fomento ao Audiovisual independente brasileiro, conectando as produções universitárias com o público geral, através de temáticas envolvendo direitos humanos. O projeto foi idealizado a partir da percepção de que há uma lacuna na exibição/comercialização de produtos do Audiovisual brasileiro. 

Literatura RS é uma rede dedicada à divulgação da literatura produzida e editada no Rio Grande do Sul. Atua também como um estúdio de serviços voltados para o mercado editorial gaúcho.

Criado originalmente como um festival de música negra em 2018 , o Festival Porongos atravessa seu segundo ano revendo rumos e estando cada dia mais próximo das questões sociais , da unificação de lutas e da emancipação do povo negro . Em sua segunda edição (2019), o Festival se adapta e reúne novos fazeres artísticos , trazendo , para a construção deste projeto , coletivos e pessoas negras atuantes nas diversas áreas artísticas da cidade de Porto Alegre . A partir de apresentações , oficinas e conversas , são abordadas as setes ares PRETAS : arquitetura , artes visuais , cinema , fotografia , teatro , literatura e , obviamente , música , que foi a principal ferramenta propulsora para a criação do Festival . 

Secretaria da Cultura