Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Nós por Nós: Documentários e Narrativas Periféricas com Uso de Telefone Celular

“Nós por Nós - Documentários e narrativas periféricas com uso de telefone celular” é a oficina de Lucas Juliano Pereira Correa, da Ventana Fotografia e Cinema, para o Programa Invernadas Culturais.

Nós por Nós é uma oficina onde são compartilhados saberes para realização de produções audiovisuais de baixo custo com o uso de celulares. São abordados temas como antropologia, planejamento, produção, orçamento, técnicas de câmera, enquadramentos, finalização e exibição do material produzido.

Segundo Lucas, a ideia é oportunizar que jovens e adultos sejam, além de realizadores, protagonistas de suas narrativas. Na sua opinião, a sociedade toda se torna beneficiária ao ter contato com múltiplas culturas e olhares. A produção audiovisual atravessada pelo viés pedagógico além de linguagem se torna uma potente ferramenta para apresentar diversas realidades que geram reflexões e entendimentos que provocam transformações sociais e estratégias no enfrentamento a desigualdades históricas. “Ao ter contato com a dinâmica que promove além de saberes técnicos e operacionais na utilização do celular enquanto câmera, os participantes serão capazes de perceber a riqueza cultural do contexto social ao qual estão inseridos”, analisa.

A oficina proporcionar aos participantes a aproximação com a linguagem cinematográfica, por meio de exemplos práticos do cotidiano, até que obtenham a internalização do conteúdo e sua aplicabilidade na produção de obras audiovisuais, podendo ser realizada uma mostra em plataformas digitais do material realizado ao término do projeto.

O primeiro módulo apresenta experiências de narrativas e de estética diferenciadas, como forma de ampliar o escopo e o repertório dos participantes e que os permita fazer uso de diferentes linguagens visuais, imagéticas e sonoras.

O módulo 1 aborda cinema, antropologia e papo reto. É apresentada uma breve explanação sobre os cruzamentos entre o cinema e a antropologia, com a intenção em promover a reflexão dos participantes para o contexto social em que estão inseridos e como esse universo pode ser culturalmente rico, capaz de ser apresentado nas telas.

“São percepções para o cotidiano o qual fazem parte e como podem transformar o dia a dia em narrativas.

O módulo 03 é “Tirando do papel e botando a mão no bolso – Planejamento, Orçamento e Produção”. Segundo o oficineiro, toda produção tem um custo e neste módulo são estratégias para minimizar esses custos. “O planejamento evita desperdícios e proporciona uma relação de trabalho mais dinâmica entre todos envolvidos.”

O módulo 04 é “Bora filmar” e aborda a importância da luz, enquadramento e movimentos de câmera. No módulo 05 é realizada a edição, com a utilização de softwares gratuitos. A última etapa contempla estratégias para o filme circular, canais em redes sociais e festivais.

Curtiu? Para saber mais, clique aqui.

Secretaria da Cultura